terça-feira, 11 de outubro de 2016

Caminhos antigos na Baixada Fluminense

Comunicação de Paulo Clarindo no Sétimo Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo, dia 17 de junho de 2016, em Santos Dumont, MG.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Os Caminhos de Ernst Hasenclever em Minas Gerais

Comunicação de Edson Brandão no Sétimo Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo, dia 17 de junho de 2016, em Santos Dumont, MG

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Fontes para a História Regional em São João del Rei

Comunicação apresentada por Jairo Machado no Sétimo Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo, dia 17 de junho de 2016, em Santos Dumont, MG

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Patrimônio Histórico e Cultural de Santos Dumont

Comunicação de Oswaldo Henrique Castello Branco no Sétimo Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo, dia 17 de junho de 2016, em Santos Dumont, MG

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

O Encontro de Pesquisadores na visão de alguns participantes

Reportagem sobre o VII Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo, realizado na cidade de Santos Dumont nos dias 17 e 18 de junho de 2016, de autoria de Tiago Guimarães, promotor cultural em Santos Dumont, MG.


terça-feira, 21 de junho de 2016

Cidades Invisíveis

Sugestão do confrade José Luiz Teixeira, do IAPAC 

Documentário realizado sobre as ruínas de cidades extintas do Estado do Rio de Janeiro. Produzido pelo Inepac, o filme percorre vestígios das antigas vilas de Santo Antônio de Sá, São João Marcos, Iguassú e Estrela. Ativas entre os séculos XVIII e XX e importantes na ocupação do solo fluminense, desapareceram em meio a crises econômicas, epidemias e modificação das rotas comerciais. Através de fragmentos, contamos a história dessas cidades, enfocando a importância do tombamento dos bens fluminenses e a luta pela preservação de suas memórias.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Obra inédita de viajante alemão do século XIX será lançada no Encontro de Pesquisadores

SÉTIMO ENCONTRO DO CAMINHO NOVO / 17 E 18 DE JUNHO DE 2016
SANTOS DUMONT – MINAS GERAIS



Fruto de parceria e cooperação técnica com a historiadora e professora da Universidade de Colônia, na Alemanha, Débora Bendocchi Alves, que assina a organização da obra, a publicação é composta por relatos, mapas e desenhos inéditos produzidos em 1839 pelo comerciante alemão que dá nome ao livro, apresentando também estudos críticos com informações biográficas e históricas.

Em sua estadia de pouco mais de seis anos no Brasil, quando realizou viagens pelo interior do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e por algumas províncias do Nordeste, Ernst Hasenclever deixou suas impressões registradas em dez pequenos cadernos e em um vasto conjunto de desenhos, a lápis, dos lugares e paisagens que visitou. Esse pequeno conjunto documental é de grande relevância para o conhecimento do país na primeira metade do século XIX e a obra, ora editada, deverá impulsionar novos estudos e publicações.

A decisão de editar separadamente os quatro diários da viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais, realizada em 1839, coube ao produtor cultural e artista gráfico Edson Brandão e à historiadora Maria Marta Araújo, coordenadora da Coleção Mineiriana, que destacam em um dos estudos críticos que integram o livro, a importância dos relatos e desenhos de Ernst Hasenclever para a iconografia mineira. De acordo com eles, o recorte dado à viagem a Minas condiz com a intenção do autor que, inspirado por Goethe e pelos chamados grand tourists da virada do século XVIII para o XIX, buscou fazer, com toques literários e jornalísticos, um relato coeso de sua fascinante e curiosa viagem à província das minas de ouro, em tudo conforme ao gênero das narrativas de viagem, tão apreciado em sua época.

Destaques - A tradução dos diários de Hasenclever foi um trabalho extremamente difícil, uma vez que foram escritos em Kurrentschrift (antiga escrita alemã) e exigiu do tradutor e especialista em história de Minas Gerais, professor Friedrich Renger, um minucioso trabalho de cotejamento com os originais e de inserção de notas explicativas ao longo de todo o texto.

Além de assinar o importante estudo que contextualiza as companhias inglesas de mineração do ouro em Minas, objeto principal das visitas realizadas pelo viajante, Renger descobriu e traduziu também um conjunto de cartas entre Hasenclever e o cientista Peter Lund, as quais constam da publicação, assim como uma correspondência, escrita originalmente em inglês pelo viajante, em que se contrapõe às notícias que circulavam na Inglaterra, à época, sobre possíveis maus tratos aos escravos da mina inglesa de Gongo Soco.
Coleção Mineiriana - Com 43 títulos publicados desde 1993, a Coleção Mineiriana é constituída por edições atualizadas de manuscritos inéditos dos séculos XVIII, XIX e XX, obras fundamentais de referência à pesquisa, traduções de textos de viajantes inéditos em português, reedições revistas de obras clássicas e de raridades bibliográficas da historiografia mineira.